Serviços – NERS – Núcleo de Extensão e Responsabilidade Social

Serviços - Núcleo de Extensão e Responsabilidade Social

Missão
Objetivos
Projetos Sociais
Mais Informações
Missão

Consolidar a Ética e a Responsabilidade Social como vias de acesso para o desenvolvimento da sociedade em geral, por meio da construção e da disseminação do conhecimento, com fundamento nos valores inerentes à Promoção Humana.

Criado em agosto de 2007, o Núcleo de Extensão e Responsabilidade Social desempenha um papel importante na idealização, apoio e concretização de projetos sociais do Colégio Barretos e da Faculdade Barretos. A interação ensino-serviço-comunidade será concretizada por meio de atividades desenvolvidas a partir de um cronograma-base elaborado e discutido no âmbito dos Colegiados dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação, e do Ensino Fundamental e Médio, no início de cada semestre letivo, com conteúdos teórico-práticos ligados às questões econômicas e sociais da comunidade, relacionando-os, sempre que possível, com os programas das disciplinas de cada curso durante o período. Após essa discussão, os projetos serão apresentados à Coordenação do NUCLEO DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL para serem discutidos, aperfeiçoados e postos em prática. As atividades serão desenvolvidas em grupos de estudo e de trabalho, sempre dentro da metodologia da problematização e da investigação científica.

O propósito é dar condições aos estudantes para compreender e analisar a comunidade, identificar os seus problemas, a forma como são encaminhados, e realizar medidas de prevenção e intervenção. O que se propõe é o desenvolvimento de um módulo interdisciplinar que percorra os anos de formação com o propósito de interagir com a comunidade, promovendo e/ou contribuindo com os serviços comunitários: identificando problemas e objetivos comuns, buscando soluções, desenvolvendo parcerias, contribuindo na formação do estudante dentro do perfil proposto em nosso projeto, totalmente antenado com a realidade local e atendendo às necessidades da comunidade.

Para o cabal desempenho dessas atividades, são previstas várias modalidades de ações (cursos, seminários, treinamentos, orientações a grupos de interesses sócio-econômicos), com a possibilidade da intervenção de equipes multidisciplinares da Instituição. Essas ações serão desenvolvidas preferencialmente junto à comunidade local, mediante prévio agendamento e por meio de convênios estabelecidos com as associações e entidades representativas de classes, órgão públicos etc.

Responsável
Prof. Dr. Rodrigo Ruiz Sanches
Email: rodrigo@unibarretos.com.br

LogosRS

 

 

Objetivos

O Núcleo de Extensão e Responsabilidade Social tem como objetivo geral firmar convênios com instituições sociais, empresas a fim de desenvolver atividades de interação, socialização e inclusão entre seus membros e os alunos da Faculdade Barretos e do Colégio Barretos e, assim, promover uma maior cooperação entre a IES e a comunidade. Objetivos específicos: Estimular e desenvolver a pesquisa, o debate e a busca de soluções na área de Responsabilidade Social; Disseminar informações à comunidade acadêmica, ao empresariado barretense e à sociedade em geral sobre as formas de viabilização de ações de Responsabilidade Social; Realizar eventos sobre o tema: Responsabilidade Social; Publicar em revistas especializadas artigos sobre o tema Responsabilidade Social; Organizar uma biblioteca e/ou um arquivo direcionados à área de Responsabilidade Social; Discutir e propor a melhor forma de inclusão do tema Responsabilidade Social nos currículos dos cursos de graduação e de pós-graduação da Faculdade Barretos, bem como nos currículos do Ensino Fundamental e Médio do Colégio Barretos; Estimular e desenvolver um Sistema de Gestão Ambiental com o intuito de estimular a educação ambiental nos funcionários e nos alunos, baseado no tripé: viabilidade econômica, viabilidade social e viabilidade ambiental; Desenvolver estudos e projetos com a finalidade de oferecer subsídios para o aprimoramento do ensino nesta Instituição; Desenvolver atividades de suporte psicológico e pedagógico aos alunos do Ensino Fundamental e Médio, da Graduação e da Pós-Graduação de todos os cursos oferecidos na Instituição.

Projetos Sociais
  • Biblioteca Infantil Casa Acolhedora Vovô Antonio
  • Campanha Gentileza gera Gentileza
  • Costurando Esperança
  • Projeto Humanidades
  • Sacolas de Plástico
  • Universitários do Riso
  • TEU - Teatro Experimental Universitário
Mais Informações

Este espaço está destinado a todas as pessoas e empresas que desejam se informar sobre o tema Responsabilidade Social e Ambiental. Os boxes abaixo estão ordenados da seguinte maneira: “Notícias e Eventos”; “Sites”; “Referências”; “Leis, Normas e Regulamentos”; “Organizações Internacionais”; “Certificações, Selos, Protocolos, Indicadores e Códigos”; “Organizações Nacionais, Institutos de Pesquisas”; “Documentos e Tratados Internacionais”; “Índices e Guias”; “Fundos de Investimento”; “Prêmios”. As informações serão periodicamente atualizadas em virtude do dinamismo e progresso que o tema Responsabilidade Social e Ambiental vem se inserindo no debate sobre sociedade e meio ambiente.

Notícias e Eventos:

www1.ethos.org.br/EthosWeb/pt/66/servicos_do_portal/agenda/agenda.aspx

Sites:

Referências:

AKATU. Diálogos Akatu – A gênese do consumidor consciente. Ano 1, n.1. Disponível em: www.akatu.org.br. 2002.
AKATU. Descobrindo o consumidor consciente. Disponível em: www.akatu.org.br. 2004.
AKATU; ETHOS. Responsabilidade Social Empresarial: um retrato da realidade brasileira. Disponível em: www.akatu.org.br Acesso em: dez/2008.
AKATU. O consumidor brasileiro e a construção do futuro. Disponível em: www.akatu.org.br, Acesso em: Abr/2010.
AKATU. Consumidores conscientes: o que pensam e como agem. Disponível em: www.akatu.org.br. 2005.
ALIGLERI, L.; ALIGLERI, L.A.; KRUGLIANSKAS, I. Gestão Socioambiental – Responsabilidade e Sustentabilidade do Negócio. São Paulo: Atlas, 2009.
ARMANI, D. Como elaborar projetos sociais? Guia prática para elaboração e gestão de projetos sociais. Porto Alegre: Tomo, 2004.
ASHLEY, P.A. (Coord.). Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. São Paulo: Saraiva, 2002.
BERNHOEFT, R; GALLO, R. Governança na empresa familiar: gestão, poder, sucessão. Rio de Janeiro: Campus, 2003.
CAPRA, F. A teia da vida. São Paulo: Cultriz, 1997.
CHAROUX, Adriana G. A Ação Social das Empresas – Quem ganha com isso? São Paulo: Peiropolis, 2007.
DALMAU, Marcos Baptista Lopez et al. A educação profissional, a EDA e as Universidades Corporativas: Um mercado emergente. Disponível em: http://www.abed.org.br. Acesso em: 10-11-2008.
DE LUCA, M.M.M. Demonstração do valor adicionado. São Paulo: Atlas, 1998.
ETHOS. Como as empresas podem (e devem) valorizar a diversidade. São Paulo: Instituto Ethos, 2000.
ETHOS. O que as empresas podem fazer pela educação. São Paulo: CENPEC: Instituto Ethos, 1999.
ETHOS. Pesquisa Responsabilidade Social das empresas: percepção do consumidor brasileiro. São Paulo: Instituto Ethos, 2000a.
FACES DO BRASIL. Comércio ético e solidário no Brasil. Disponível em: www.facesdobrasil.org.br, Acesso em: abril-2009.
FORMIGA, Marcos. Da Educação a Distância à Educação Corporativa: O que está acontecendo nas empresas e escolas do Brasil?. Disponível em: www.educor.desenvolvimento.gov.br Acesso em: 03-12-2008.
GALBRAITH, J.; LAWER III, E.F. Organizando para competir no futuro. São Paulo: Makron Books, 1995.
GIFE. Grupo de Institutos, Fundações e Empresas. Disponível em: www.gife.org.br, Acesso em: Abril – 2009.
GIL, Antonio Carlos. Gestão de Pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001.
GOLDSTEIN, I. Responsabilidade Social – Das grandes corporações ao terceiro setor. São Paulo: Ática, 2007.
HELDMAN, Kim. Gerência de projetos: guia para o exame oficial do PMI. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2006.
HERRERO FILHO, Emílio. Balanced Scorecard e a gestão estratégica – uma abordagem prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX – 1914-1991. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
IBRACON – INSTITUTO DOS AUDITORES INDEPENDENTES DO BRASIL. Normas e Procedimentos de Auditoria – NPA11 – Balanço e Ecologia, 1996.
IDEC - INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Guia de Responsabilidade Social para o Consumidor. São Paulo: IDEC, 2004.
JABOR, M. Aspectos Contábeis e Jurídicos do Passivo Ambiental. In: Responsabilidade Social das Empresas – A contribuição das universidades. São Paulo: Peirópolis, 2004.
KARABOLAD, N. Os caminhos e desafios para governança global e a responsabilidade socioambiental como ferramenta à sustentabilidade. Disponível em: www.ethos.org.br, Acesso em: abril/2009.
KRELL, A.J. Concretização do dano ambiental – objeções à “teoria do risco integral”. Disponível em: www.jus.com.br. Acesso em: Abr-2008.
KOTLER, P.; ARMOSTRONG, G. Princípios de Marketing. São Paulo: Prentice/Hall do Brasil, ano.
KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, 1998.
KROETZ, C.E.S. Balanço social: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2000.
LUCENA, Maria Diva da Salete. Planejamento de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 1999.
MARCONDES FILHO, C. P. Responsabilidade Social e Governança – O debate e as implicações. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.
MARTINS, E; RIBEIRO, M.S. A informação como instrumento de contribuição da Contabilidade para a contabilização do desenvolvimento econômico e a preservação do meio ambiente. In: Boletim Ibracon, n.208, ano XVII, set 1995.
NELO NETO, F.P.; FROES, C. Gestão da Responsabilidade Social Corporativa: o caso brasileiro. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.
MONTANA, Patrick J.; CHARNOV, Bruce H. Administração. São Paulo: Saraiva, 2003.
RODDICK, A. Meu jeito de fazer negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
SILVA FILHO, C.F.; BENEDICTO, G.C.; CALIL, J.F. (Orgs.). Ética, Responsabilidade Social e Governança Corporativa. São Paulo: Alínea, 2008.
SILVA, Deborah Ribeiro. Educação Corporativa.
SILVA, J.A. Direito Ambiental Constitucional. São Paulo: Malheiros, 1995.
SOUZA, Herbert de. Empresa Pública e Cidadã. In: Folha de São Paulo, 26-03-1997.
STONER, James A. F.; FREEMAN, R. Edward. Administação. Rio de Janeiro: LTC, 1999.
SUCUPIRA, J.A. Ética nas empresas e balanço social. In: SILVA, C.A.T.; FREIRE, F.S. (Orgs.) Balanço social: teoria e prática. São Paulo: Ática, 2001.
TASHIZAWA, T. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa – Estratégias de negócio focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas, 2008.
TIAGO, E. Consumo consciente deve crescer entre os brasileiros. Valor Econômico, 27 jun. 2007.
TINOCO, (2001).
TORRES, J.Q.R. Estudo da relação entre os modelos de gestão baseados no Balanced Scorecard, Responsabilidade Social Empresarial e as práticas de Recursos Humanos. Disponível em: www.ethos.org.br, Acesso em: abril/2009.
TORRES, Ciro. Responsabilidade Social e transparência. In: Balanço Social: biblioteca virtual. Disponível em: www.balancosocial.org.br, Acesso em: Mar-2010.
ZARIF, T. Responsabilidade Civil Ambiental – Manual prático da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. São Paulo: Imesp, 1999.

Leis, Normas e Regulamentos:

Lei n. 4.137/1961 e Lei n. 8.884/1993 (reprimiu abuso de poder econômico e as práticas anticoncorrência); Lei n. 6.938/1981 (institui a Política Nacional para o Meio Ambiente e Conselho Nacional do Meio Ambiente); Lei de Crimes Ambientais – n. 9.605/1998; Decreto de Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – n. 3.298/1999; Lei do Aprendiz n. 10.097/2000; Decreto de Inserção do Menor Aprendiz – n. 5.598/05; Estatuto da Criança e do Adolescente; Estatuto do Idoso; Código Florestal (Lei n. 4.771/65); Produtos Orgânicos (Lei n. 10.831/03 e Decreto n. 6.323/07); Lei n. 8.213/91 e Decreto n. 5.296/04 (Pessoas com necessidades especiais); Lei n. 10.097/05 (Lei do Aprendiz); Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, instituído pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR); Lei Rouanet; Lei do Audiovisual; Internacional Accounting Standards Board (Iasb); Ibracon (Brasil); Fasb;

Organizações Internacionais:

Declaração Universal dos Direitos Humanos (ONU); Diretrizes da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), (sobre o crescimento sustentável); Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ONU); Guia das Normas Internacionais do Trabalho (OIT); Fairtrade Labelling Organization Internacional (FLO); Word Business Concil Sustainable Development (WBCSD); United Nations Industrial Development Organizacion (UNIDO); Programa da Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA); Global Compact (ONU); Global Reporting Iniciative (GRI); Strategic Advisory Group on Environment (SAGE); The Economist Intelligence Unit; Forest Stewardship Council (FSC); Instituto Akatu; Alta Qualidade Ambiental (AQUA); Haute Qualité Environnementale (HQE); Conselho Brasileiro de Construção Sustentável; COPOLCO da International Organization for Standardization; Relatório Global sobre Discriminação no Mercado de Trabalho (OIT); European Ethics Network (EBEN); Business for Social Responsability (BSR); Ethics Officer Association; Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Holanda); Ethics Resource Center; Internacional Finance Corporation (Banco Mundial); Global Enviromental Change; União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN); Greenpeace; World Wildlife Foundation (WWF); Friends of the Eath; Project Management Institute (PMI); Fundação Iochpe; Joint Committee on Standards for Educational Evaluation; Programa de Voluntários das Nações Unidas (UNV); Associação Vaga-Lume;

Certificações, Selos, Protocolos, Indicadores e Códigos:

ISO 9000 (sistema de gestão da qualidade); ISO 14000 (ações ambientais); AA1000 (ênfase na relação das empresas com os stakeholders); BS8800; SA8000 (enfatiza as relações trabalhistas; OHSAS 18001 (sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional); ABNT NBR 16001 (sistema de gestão da RSE); Instituto de Pesos e Medidas (IPEM); Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO); Leardership in Energy and Environmental Design (LEED) selo do Green Building Council; End of Life Vehicles (ELV – União Européia); Social AccountabilityInternational (SAI); Forest Stewardship Council (FSC); Carbon Free; Protocolo de Kyoto; Agenda 21; PACT (Fundação Dom Cabral);

Organizações Nacionais, Institutos de Pesquisa:

Instituto Socioambiental (ISA); Revista Brasil Responsável; Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental; IBAMA; EMBRAPA; Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (CEPAGRI); Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR); Instituto para o Agronegócio Responsável (ARES); Federação Internacional do Comércio Justo (IFAT); Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC); Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife); Fundação Instituto de Desenvolvimento Social e Empresarial (Fides); Instituto Brasileiro de Análises Socais e Econômicas (IBASE); Associação de Dirigentes Cristãos de Empresas (ADCE); Fundação Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Social (FIDES); Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE); Instituto Socioambiental (ISA); Centro de Estudos de Ética nos Negócios (CENE), da FGV; Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-SP; Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC); Centro de Empreendedorismo Social e Administração (Ceats), da Fundação Instituto de Administração, da USP; Comitê para a Democratização da Informática (CDI); Fórum de Articulação do Comércio Ético e Solidário do Brasil (Faces do Brasil); Centro de Voluntariado de São Paulo; Apoena Social; Fundação Ashoka de Empreendedores Sociais; Centro Cultural Banco do Brasil;

Documentos e Tratados Internacionais:

Princípios do Equador (2002); Metas do Milênio (2000); Pacto Global (1999); Convenção N.169 da OIT sobre o Direito dos Povos Indígenas e Tribais (1998); Declaração de Princípios Fundamentais e de Direitos no Trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT) (1998); Protocolo de Kioto (1997); Carta da Terra (1997); Convenção de Desenvolvimento Sustentável da ONU (1993); Acordo de Madrid (1992); Convenções do Rio – ECO92 (1992); Global Environment Facility (1991); Emenda de Londres (1990); Convenção de Basel (1989); Protocolo de Montreal (1987); Convenção de Viena-Montreal (1985); Convenção da ONU sobre eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (1979); Diretrizes da OCDE para Empresas Multinacionais (1976); Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (1972); Convenção da ONU sobre eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial (1966); Convenção N. 111 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre igualdade de oportunidade (1965); Convenção N.100 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Igualdade de Remuneração de Mão-de-obra Feminina por um Trabalho de Igual Valor (1951); Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural (2001), da Unesco;

Índices e Guias:

Guia Exame de Boa Cidadania Corportativa; Sustainability Group Index Dow Jones (1999); Índice de Sustentabilidade Empresarial da BOVESPA (2005); Social Domini 4000; 4Good do Financial Times; Painel Intergovernamental do Clima (IPCC); Indicadores de Desenvolvimento Humano Organizacional (IDHO); Índice de Desenvolvimento Humano (IDH);

Fundos de Investimento:

Fundo Ethical (ABN Anro Real, 2001); Reporto on Socially Responsable Investiment Trends (EUA); Dow Jones Sustainability Index (EUA); FTSE4Good (Inglaterra); Terra Capital;


Prêmios:

Sustainable Banking Award (Financial Times); World Business Award (Câmara Internacional do Comércio, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD e do Fórum Internacional de Líderes Empresariais Príncipe de Gales); Global 100 (ABN AMRO); Valor Social (Valor Econômico); Empresa-Modelo em Sustentabilidade (Revista Exame); Prêmio Eco (Câmara Americana de Comércio); Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar (Guia Exame Você S/A); Ranking dos Melhores Relatórios de Sustentabilidade (Consultoria Sustainability); Prêmio de Responsabilidade Social no Varejo (FGV);